pessoa segurando uma pílula de vitamina D na mão

Evidências esmagadoras sugerem uma ligação entre níveis mais elevados de vitamina D e menor incidência e gravidade de COVID-19

Níveis suficientes de vitamina D no sangue desempenham um papel eficaz no funcionamento do sistema imunológico, o que pode contribuir para uma resposta celular satisfatória e proteger contra a gravidade das infecções causadas por microrganismos. Como resultado, a pandemia proporcionou uma oportunidade de destacar o papel da vitamina D no apoio à saúde imunológica. 

Incríveis 13 Meta-Análises, que incluíram mais de 3 milhões de participantes, destacaram a importância da Vitamina D na menor incidência e gravidade da COVID-19. No geral, os resultados sugerem que níveis mais elevados de vitamina D no sangue estão correlacionados com menor incidência ou gravidade de COVID-19 na maioria das pesquisas.

Há muito tempo se sabe que a vitamina D desempenha papel importante na saúde imunológica, funcionando como uma verdadeira substância imunorreguladora deste sistema, não se limitando ao que a medicina tradicional sugere – que é importante apenas para a saúde dos ossos e absorção do cálcio.

As meta-análises foram geradas a partir de mais de 100 estudos publicados desde o início da pandemia. A maioria examinou os níveis de vitamina D e COVID-19 no sangue, enquanto dois examinaram exclusivamente o consumo de vitamina D em relação à doença.

Conclusões sobre a importância de ter da Vitamina D para impedir o desenvolvimento da COVID-19:

Níveis mais elevados de vitamina D no sangue parecem estar correlacionados com menor incidência de COVID-19 (na maioria, mas não em todas as revisões).

A gravidade e a mortalidade de COVID-19 foram associadas a níveis mais baixos de vitamina D (em várias, mas não em todas as metanálises).

Uma meta-análise encontrou mortalidade reduzida com intervenção de vitamina D após o diagnóstico de COVID-19, enquanto uma meta-análise menor teve o mesmo achado (o estudo menor não atingiu significância estatística).

Uma das conclusões mais fortes a partir de uma meta-análise indicou que as probabilidades de ficar infectado com SARS-CoV-2 aumentou 3,3 vezes nos indivíduos com deficiência de vitamina D e a probabilidade de desenvolver fases graves de COVID-19 é mais de cinco vezes maior em pacientes com deficiência de vitamina D.

Outros fatores de risco para o agravamento da COVID-19

Embora os níveis de vitamina D parecem desempenhar um papel significativo nos resultados e na gravidade, os estudos também observaram outros fatores de risco para agravamento da COVID-19, como:

  • Idade avançada;
  • Sexo masculino;
  • Obesidade;
  • Doenças cardiovasculares;
  • Doenças pulmonares crônicas;
  • Diabetes e câncer.

Além disso, vários estudos mostraram que negros, hispânicos e asiáticos são responsáveis ​​por um número desproporcionalmente maior de hospitalizações e mortes devido ao COVID-19 no Reino Unido e nos Estados Unidos. Como fatores como idade e raça não podem ser alterados, os pesquisadores esperam focar nos fatores modificáveis ​​que podem contribuir para a gravidade do COVID-19, como os níveis de vitamina D.

Qual a dose de Vitamina D? Dose correta da Vitamina D ainda é uma pergunta 

Embora o consenso geral seja que níveis mais altos de vitamina D estão associados a taxas e gravidade mais baixas de COVID-19, a dosagem é menos certa, pois variou amplamente entre os estudos. Como várias dessas análises apontaram, mais pesquisas são necessárias para determinar a dose apropriada, a duração e o modo de administração da vitamina D.

Claro que não é possível afirmar que a Vitamina D seja uma substituta para vacinas, uso de máscaras, distanciamento social ou outros comportamentos para mitigar a disseminação do coronavírus, mas os dados sugerem que ter níveis adequados de vitamina D pode desempenhar um papel, em combinação com outras terapias, no fortalecimento do sistema imunológico de resistir ao vírus.

Na loja virtual da Sempre Viva você encontra várias opções para suplementar Vitamina D, todas elas respeitam a característica lipofílica da Vitamina D3, ou seja, ela é melhor absorvida em lípidos (gorduras):

Vitamina D com 5.000 ui + Vitamina K2 em solução oleosa, com a opção de escolha do óleo utilizado: Girassol, TCM ou Azeite de Oliva.

Vitamina D com 5.000 ui + Vitamina A + Vitamina K2 + Vitamina E em cápsulas com o excipiente em TCM (Triglicerídeos de Cadeia Média).

E até mesmo a Vitamina D em doses para os pequenos, a Vitamina D infantil com 200 ui, em gotas de azeite de oliva.

Quando foi a última vez que você mediu sua Vitamina D? Quais foram os resultados?

13 meta-análises consultadas:

Wang, Z., Joshi, A., Leopold, K., Jackson, S., Christensen, S., Nayfeh, T., Mohammed, K., Creo, A., Tebben, P., & Kumar, S. (2021). Association of vitamin D deficiency with COVID-19 infection severity: Systematic review and meta-analysis. Clinical endocrinology, 10.1111/cen.14540. Advance online publication. https://doi.org/10.1111/cen.14540

Conclusão dos autores: “A deficiência de vitamina D está associada a uma maior gravidade da infecção por COVID-19, medida pelas taxas de mortalidade, admissão hospitalar e duração da permanência hospitalar. Estudos longitudinais de intervenção são necessários para determinar se a suplementação de vitamina D pode diminuir a gravidade da infecção por COVID-19.”

Szarpak, L., Rafique, Z., Gasecka, A., Chirico, F., Gawel, W., Hernik, J., Kaminska, H., Filipiak, K. J., Jaguszewski, M. J., & Szarpak, L. (2021). A systematic review and meta-analysis of effect of vitamin D levels on the incidence of COVID-19. Cardiology journal, 28(5), 647–654. https://doi.org/10.5603/CJ.a2021.0072

Conclusão dos autores: “O baixo nível sérico de vitamina D está estatisticamente e significativamente associado ao risco de infecção por COVID-19. A suplementação de vitamina D, especialmente em grupos de risco de deficiência, é indicada.”

Teshome, A., Adane, A., Girma, B., & Mekonnen, Z. A. (2021). The Impact of Vitamin D Level on COVID-19 Infection: Systematic Review and Meta-Analysis. Frontiers in public health, 9, 624559. https://doi.org/10.3389/fpubh.2021.624559

Conclusão dos autores: Em conclusão, o baixo nível sérico de 25 (OH) vitamina D foi significativamente associado a um maior risco de infecção por COVID-19. Os dados limitados atualmente disponíveis sugerem que um nível suficiente de vitamina D no soro está associado a uma redução significativa do risco de infecção por COVID-19.

Olha este estudo, são de autores brasileiros, mais precisamente do estado da Bahia:

Pereira, M., Dantas Damascena, A., Galvão Azevedo, L. M., de Almeida Oliveira, T., & da Mota Santana, J. (2020). Vitamin D deficiency aggravates COVID-19: systematic review and meta-analysis. Critical reviews in food science and nutrition, 1–9. Advance online publication. https://doi.org/10.1080/10408398.2020.1841090

Conclusão dos autores: Em conclusão, os resultados da meta-análise confirmam a alta prevalência de deficiência de vitamina D em pessoas com COVID-19, especialmente os idosos. Devemos acrescentar que a deficiência de vitamina D não foi associada à infecção por COVID-19. No entanto, observamos uma associação positiva entre a deficiência de vitamina D e a gravidade da doença. Nessa perspectiva, a avaliação dos níveis de vitamina D no sangue pode ser considerada na prática clínica dos profissionais de saúde. Além disso, a suplementação de vitamina D pode ser considerada em pacientes com deficiência e insuficiência de vitamina D, se eles tiverem COVID-19. No entanto, não há suporte para a suplementação entre grupos com valores normais de vitamina D no sangue com o objetivo de prevenção, profilaxia ou redução da gravidade da doença.

Kazemi, A., Mohammadi, V., Aghababaee, S. K., Golzarand, M., Clark, C., & Babajafari, S. (2021). Association of Vitamin D Status with SARS-CoV-2 Infection or COVID-19 Severity: A Systematic Review and Meta-analysis. Advances in nutrition (Bethesda, Md.), 12(5), 1636–1658. https://doi.org/10.1093/advances/nmab012

Conclusão dos autores: “Embora os estudos fossem heterogêneos na abordagem metodológica e estatística, e algumas limitações inerentes estivessem presentes, os achados do presente estudo indicaram uma relação significativa entre a concentração de 25 (OH) D e infecção por SARS-CoV-2, gravidade composta COVID-19 e mortalidade . Para infecção, deve-se ter cuidado ao interpretar os resultados devido às limitações inerentes aos estudos. Para admissão na UTI, inflamação, hospitalização e envolvimento pulmonar, as evidências atualmente são inconsistentes e insuficientes. Além disso, estudos futuros devem investigar a associação de COVID-19 com vitamina D em subgrupos de idade e sexo.”

Liu, N., Sun, J., Wang, X., Zhang, T., Zhao, M., & Li, H. (2021). Low vitamin D status is associated with coronavirus disease 2019 outcomes: a systematic review and meta-analysis. International journal of infectious diseases : IJID : official publication of the International Society for Infectious Diseases, 104, 58–64. https://doi.org/10.1016/j.ijid.2020.12.077

Conclusão dos autores: “Esta revisão sistemática e meta-análise indicaram que o baixo nível de vitamina D pode estar associado a um risco aumentado de infecção por COVID-19. Mais estudos são necessários para avaliar o impacto da suplementação de vitamina D na gravidade clínica e prognóstico em pacientes com COVID-19.”

Pal, R., Banerjee, M., Bhadada, S. K., Shetty, A. J., Singh, B., & Vyas, A. (2021). Vitamin D supplementation and clinical outcomes in COVID-19: a systematic review and meta-analysis. Journal of endocrinological investigation, 1–16. Advance online publication. https://doi.org/10.1007/s40618-021-01614-4

Conclusão dos autores: “A suplementação de vitamina D pode estar associada a melhores desfechos clínicos em termos de admissão à UTI e / ou mortalidade, especialmente naqueles com COVID-19 moderado a grave que requer hospitalização. No entanto, questões relacionadas à dose apropriada, duração e modo de administração da vitamina D permanecem sem resposta e fornecem caminhos para pesquisas futuras.”

Ghasemian, R., Shamshirian, A., Heydari, K., Malekan, M., Alizadeh-Navaei, R., Ebrahimzadeh, M. A., Ebrahimi Warkiani, M., Jafarpour, H., Razavi Bazaz, S., Rezaei Shahmirzadi, A., Khodabandeh, M., Seyfari, B., Motamedzadeh, A., Dadgostar, E., Aalinezhad, M., Sedaghat, M., Razzaghi, N., Zarandi, B., Asadi, A., Yaghoubi Naei, V., … Shamshirian, D. (2021). The role of vitamin D in the age of COVID-19: A systematic review and meta-analysis. International journal of clinical practice, 75(11), e14675. https://doi.org/10.1111/ijcp.14675

Conclusão dos autores: “Este estudo descobriu que a maioria dos pacientes com COVID-19 sofria de deficiência / insuficiência de vitamina D. Além disso, há uma chance cerca de três vezes maior de se infectar com SARS ‐ CoV ‐ 2 entre indivíduos com deficiência de vitamina D e cerca de cinco vezes maior probabilidade de desenvolver a doença grave em pacientes com deficiência de vitamina D. A deficiência de vitamina D não mostrou associação significativa com as taxas de mortalidade nesta população.”

Akbar, M. R., Wibowo, A., Pranata, R., & Setiabudiawan, B. (2021). Low Serum 25-hydroxyvitamin D (Vitamin D) Level Is Associated With Susceptibility to COVID-19, Severity, and Mortality: A Systematic Review and Meta-Analysis. Frontiers in nutrition, 8, 660420. https://doi.org/10.3389/fnut.2021.660420

Conclusão dos autores: “Em conclusão, baixo nível sérico de 25-OHD foi associado a maior taxa de infecção por COVID-19, apresentação grave e mortalidade.”

Bassatne, A., Basbous, M., Chakhtoura, M., El Zein, O., Rahme, M., & El-Hajj Fuleihan, G. (2021). The link between COVID-19 and VItamin D (VIVID): A systematic review and meta-analysis. Metabolism: clinical and experimental, 119, 154753. https://doi.org/10.1016/j.metabol.2021.154753

Conclusão dos autores: “Embora as evidências disponíveis até o momento, provenientes de estudos observacionais de baixa qualidade, possam ser vistas como mostrando uma tendência para uma associação entre baixos níveis séricos de 25 (OH) D e desfechos de saúde relacionados ao COVID-19, essa relação não foi encontrada. estatisticamente significativo. A suplementação de calcifediol pode ter um efeito protetor nas admissões à UTI relacionadas a COVID-19. O uso atual de altas doses de vitamina D em pacientes com COVID-19 não é baseado em evidências sólidas. Ele aguarda os resultados dos estudos em andamento para determinar a eficácia, as doses desejáveis ​​e a segurança da suplementação de vitamina D para prevenir e tratar os desfechos de saúde relacionados ao COVID-19.”

Crafa, A., Cannarella, R., Condorelli, R. A., Mongioì, L. M., Barbagallo, F., Aversa, A., La Vignera, S., & Calogero, A. E. (2021). Influence of 25-hydroxy-cholecalciferol levels on SARS-CoV-2 infection and COVID-19 severity: A systematic review and meta-analysis. EClinicalMedicine, 37, 100967. https://doi.org/10.1016/j.eclinm.2021.100967

Conclusão dos autores: “Esta meta-análise revelou uma grande heterogeneidade dos estudos incluídos devido aos diferentes critérios de inscrição de amostras de pacientes (idade, índice de massa corporal, etnia, comorbidades), o país onde vivem, todos os fatores que influenciam os níveis séricos de 25 (OH) D, e os diferentes critérios usados ​​para definir a gravidade do COVID-19. Além disso, o caráter observacional desses estudos não permite estabelecer uma relação de causa-efeito, mesmo levando em consideração que a 25 (OH) D representa um marcador de inflamação aguda. O tratamento com vitamina D pode ser considerado para a prevenção primária da infecção por SARS-CoV-2 e o manejo de pacientes com COVID-19. No entanto, mais estudos de intervenção são necessários para comprovar essa hipótese.”

Petrelli, F., Luciani, A., Perego, G., Dognini, G., Colombelli, P. L., & Ghidini, A. (2021). Therapeutic and prognostic role of vitamin D for COVID-19 infection: A systematic review and meta-analysis of 43 observational studies. The Journal of steroid biochemistry and molecular biology, 211, 105883. https://doi.org/10.1016/j.jsbmb.2021.105883

Conclusão dos autores: Os valores reduzidos de vitamina D resultaram em maior risco de infecção, mortalidade e gravidade da infecção por COVID-19. A suplementação pode ser considerada como medida preventiva e terapêutica.

Rawat, D., Roy, A., Maitra, S., Shankar, V., Khanna, P., & Baidya, D. K. (2021). “Vitamin D supplementation and COVID-19 treatment: A systematic review and meta-analysis”. Diabetes & metabolic syndrome, 15(4), 102189. https://doi.org/10.1016/j.dsx.2021.102189

Dos estudos selecionados, apenas esta pesquisa indiana, conclui que não há evidências que sustentem a suplementação de Vitamina D para a COVID-19. Conclusão dos autores: “Nenhuma diferença significativa com a suplementação de vitamina D nos principais resultados relacionados à saúde no COVID-19.”

Imagem padrão
Vivian Costa

Olá, sou a Vivian Costa, Farmacêutica, apaixonada por saúde preventiva, antienvelhecimento e beleza, com foco para minha Farmácia de Manipulação; a Sempre Viva. Estou sempre atenta às novidades, adoro desenvolver novas fórmulas e vou compartilhar um pouco de tudo com vocês. Veja um pouco da minha trajetória em: https://blog.farmaciasempreviva.com.br/curriculo/

Artigos: 313

Deixe uma resposta