pessoa sentindo os primeiros sintomas da dengue

Sintomas da dengue: conheça-os e saiba como tratar

Bem-vindo ao Blog da Farmácia Sempre Viva. Neste artigo, falaremos sobre um assunto muito importante: a dengue.

Essa doença viral, transmitida por mosquito, pode causar sérios danos à saúde, mas, muitas vezes, é subestimada pela população. Por isso, é fundamental conhecermos os sintomas da dengue e os possíveis tratamentos para combater essa doença.

Saiba mais: diclofenaco pomada para que serve

Descubra tudo o que precisa saber sobre a dengue, desde os sintomas mais comuns até as formas de prevenção. Continue lendo e fique por dentro desse tema tão relevante para a saúde pública!

Dengue: o que é?

A dengue é uma doença viral, transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, um pernilongo mais comum das áreas tropicais e subtropicais.

A doença pode ser grave e potencialmente fatal, especialmente em casos de dengue hemorrágica, que tende a causar sangramentos graves.

Sintomas clássicos da dengue

Se você quer compreender os sintomas da dengue, o mais clássico é a febre alta, que chega a 40 °C, e tende a vir acompanhada de:

  • Coceira;
  • Dor de cabeça;
  • Dores musculares, nas juntas e atrás dos olhos;
  • Prostração;
  • Vermelhidão no corpo (exantema).

Outros sintomas, como náuseas, vômitos e diarreia, podem aparecer, mas são menos incidentes.

Após cerca de uma semana, os sintomas da dengue começam a regredir, assim como a febre. Em alguns casos, o quadro de prostração e fraqueza pode permanecer por algum tempo (semanas).

Sintomas que precisam de atenção

Há outros sinais iniciais da dengue que tendem a aparecer na fase febril da doença que merecem atenção especial e precisam ser avaliados com frequência.

Após o terceiro dia, quando a febre começa a diminuir, outros sintomas podem aparecer, indicando um possível agravamento do quadro.

  • Sangramentos pelo nariz, gengivas ou vagina;
  • Surgimento de petéquias e hematomas na pele.

Esses sinais de alarme são geralmente causados pelo aumento da permeabilidade vascular e podem sinalizar o início do declínio clínico do paciente, causando eventualmente ao choque por extravasamento de plasma.

Em casos mais raros, pode haver sangramento no trato digestivo ou urinário. Por isso, é fundamental atentar a esses sinais e buscar atendimento médico imediatamente caso se manifestem.

Sintomas mais graves da dengue

Em casos mais graves, os sintomas progridem e pode haver:

  • Alterações neurológicas (delírio, sonolência, depressão, coma, irritabilidade extrema, psicose, demência, amnésia);
  • Derrame pleural;
  • Hemorragia digestiva;
  • Insuficiência hepática;
  • Sintomas cardiorrespiratórios.

Em geral, os problemas de fundo neurológico tendem a aparecer logo após o final do período febril.

No mais, as formas graves da dengue podem se manifestar de diversas maneiras, incluindo o extravasamento de plasma, que pode resultar em choque ou acúmulo de líquidos, causando desconforto respiratório, além de sangramento grave ou disfunção orgânica no coração, nos pulmões, rins, no fígado e sistema nervoso central (SNC).

O choque é um sintoma que surge rapidamente e tem curta duração, podendo provocar o óbito, em um intervalo de 12 a 24 horas. Em casos de tratamento adequado, a recuperação pode ser rápida.

Por isso, é fundamental buscar ajuda médica imediata se houver suspeita de dengue grave, para garantir o tratamento correto e a melhor chance de recuperação.

Prevenção contra a dengue

Elimine potenciais focos do mosquito

Uma das principais formas de prevenir a dengue é eliminar qualquer foco de água parada em casa.

É importante evitar que reservatórios de água fiquem sem proteção, pois o mosquito transmissor da doença pode usar esses locais como criadouro.

Isso inclui não só espaços maiores, como caixas d’água e piscinas abertas, mas também objetos pequenos, como tampas de garrafas e vasos de plantas.

Cubra-se sempre que possível

Outra medida importante para prevenir a dengue é cobrir o corpo sempre que possível.

O mosquito Aedes aegypti é atraído por uma substância presente no suor e na respiração humana; por isso, é essencial usar roupas que cubram a pele, para reduzir essa atração. Opte por peças que cubram os braços, pernas e pescoço.

Instale telas nas janelas da sua casa

Telas, mosquiteiros e outros tipos de barreiras na sua casa diminuem muito a incidência de pernilongos transmissores da doença.

Aplique repelente regularmente

Sempre que notar a presença de mosquitos no ambiente, ou quando estiver muito calor para usar roupas que cubram o corpo, aplique repelente nas partes expostas do corpo, como pernas e braços.

Existe vacina para prevenção da dengue?

vacina para dengue

Existe uma vacina para prevenção da dengue disponível no mercado, a Dengvaxia, produzida por uma empresa de origem francesa.

Entretanto, a vacina contra a dengue tem sido objeto de muita controvérsia desde o seu desenvolvimento. A principal preocupação é que a vacina possa causar uma forma mais grave da doença em pessoas que nunca foram infectadas pelo vírus antes de serem vacinadas. Isso ocorre se uma pessoa já foi infectada com um dos tipos de vírus da dengue e é vacinada com a vacina contra a dengue, pode ocorrer uma resposta imune exagerada, que pode levar a uma forma mais grave da doença.

Além disso, a eficácia da vacina tem sido variável, e estudos mostraram que ela pode não ser tão eficaz em certos grupos, como crianças pequenas.

Essa vacina é indicada para prevenir a dengue, nos quatro tipos de vírus (1, 2, 3 e 4), aprovada, em 2015, pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para uso no Brasil. É recomendada para pessoas de 9 a 45 anos, que vivem em áreas endêmicas.

A vacina é vendida em clínicas particulares e consiste em três doses, com intervalo de seis meses. No entanto, não está disponível no Sistema Único de Saúde (SUS), e cada dose pode custar mais de R$ 140,00.

Vale lembrar que a vacina não garante proteção total contra a doença nem substitui as medidas de prevenção, como a eliminação de focos de água parada e o uso de repelente.

Tratamento contra a dengue

Não há um tratamento específico para combater o vírus da dengue. No entanto, é importante que o paciente com suspeita ou diagnóstico da doença procure assistência médica, para aliviar os sintomas e prevenir complicações.

O tratamento consiste principalmente em medidas para aliviar os sintomas: o consumo de líquidos para evitar desidratação e o uso de medicamentos para baixar a febre e aliviar a dor.

No entanto, é importante destacar que as pessoas não devem se automedicar e nunca utilizar medicamentos que contenham ácido acetilsalicílico (AAS, Aspirina, Melhoral, etc.) ou anti-inflamatórios sintéticos (Voltaren, diclofenaco de sódio, Scaflan), que podem interferir no processo de coagulação do sangue e agravar a doença.

Por isso, é fundamental que o tratamento seja orientado por um médico.

Anti-inflamatório natural contra a dengue

Um método de tratamento coadjuvante com anti-inflamatório natural contra a dengue é o composto Sucupira, cuja composição possui unha-de-gato.

A erva unha-de-gato (Uncaria tomentosa) é uma grande trepadeira lenhosa nativa da Amazônia e das florestas tropicais da América Central, usada medicinalmente por povos indígenas, desde a Antiguidade, e tem atividades imunomoduladoras, anti-inflamatórias, citotóxicas e antioxidantes.

A eficiência da erva já foi cientificamente comprovada. Os efeitos antivirais e imunomoduladores in vitro de U. tomentosa apresentaram propriedades eficientes em relação a procedimentos terapêuticos na dengue.

Aqui no site, encontre o composto Sucupira desenvolvido pela Farmácia Sempre Viva e saiba como consumir anti-inflamatório natural para tratamento de diversas doenças e condições, incluindo a dengue.

Vivian Costa
Vivian Costa

Olá, sou a Vivian Costa, Farmacêutica, apaixonada por saúde preventiva, antienvelhecimento e beleza, com foco para minha Farmácia de Manipulação; a Sempre Viva. Estou sempre atenta às novidades, adoro desenvolver novas fórmulas e vou compartilhar um pouco de tudo com vocês. Veja um pouco da minha trajetória em: http://blog.farmaciasempreviva.com.br/curriculo/

Artigos: 408

Deixe uma resposta