O uso adequado de suplementos alimentares é um grande diferencial na complementação de uma dieta balanceada, pois muitas das vezes não conseguimos extrair dos alimentos diários a quantidade necessária de vitaminas e minerais. (Levando em conta que cada pessoa possui necessidades diferentes umas das outras).

Vamos falar quais são os principais minerais e se existe um padrão que seja descrito como suficiente para cada pessoa. O que você acha? Continue lendo!

Atenção!!

  • Existem algumas doenças que passam longe de você, com um organismo bem alimentado e com o uso orientado de suplementos minerais e vitamínicos, como: obesidade, câncer, artrite, anemia, diabetes, hipertensão e diversos tipos de distúrbios hormonais, além de prevenir o envelhecimento precoce, melhora a circulação, combate a depressão, o estresse, a ansiedade e a insônia.
  • É essencial recorrer à exames e especialistas para que seja diagnosticado determinadas carências de minerais e vitaminas.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) reconhece o papel de 18 minerais, como zinco, cálcio, ferro, magnésio, iodo, selênio e outros, como fundamentais para o bom funcionamento do nosso corpo.

E o que são minerais?

Os minerais são substâncias nutritivas indispensáveis ao organismo, promovem desde a constituição de ossos, dentes, músculos, sangue e células nervosas até a manutenção do equilíbrio hídrico. Eles são, no mínimo, tão importantes quanto às vitaminas para auxiliar a manter o organismo em perfeito estado de saúde. Porém, como o organismo não pode fabricá-los, deve-se utilizar fontes externas, como alimentos e suplementos nutritivos para assegurar a ingestão diária adequada.

De acordo com as previsões, até 2020 ainda teremos altos índices de desnutrição; embora a projeção aponta para uma redução, essa será de apenas 15% em relação aos índices de 1995.

É importante considerar o que a pesquisadora Silvia Maria Franciscato Cozzolino aponta em estudo sobre a importância e consequências dos minerais quando avaliamos o cenário brasileiro:

“A deficiência de micronutrientes, mesmo sendo de fácil solução, ainda é problema para cerca de dois milhões de indivíduos. O sobrepeso e a obesidade já atingem cerca de 250 milhões de adultos, e esse número está aumentando.

A deficiência de ferro é um dos principais fatores que levam à anemia, atingindo 46% das crianças e 48% das gestantes em âmbito mundial, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

A deficiência de vitamina A, embora do ponto de vista de sua gravidade tenha diminuído, ainda atinge entre 240 e 250 milhões de pré-escolares.

Quanto à deficiência de iodo, graças à fortificação do sal de cozinha, essa não tem sido de grande mortandade no Brasil; entretanto, hoje está emergindo o problema oposto, ou seja, o do excesso, ocasionando distúrbios na glândula tireóide. Esse fato advém principalmente do aumento do consumo de sal, verificado nos últimos levantamentos de consumo alimentar. Também o selênio – cujo consumo é muito baixo em determinadas regiões do Brasil – está estreitamente relacionado com a função da tireóide, pois participa da deiodinação da tiroxina (T4) para tri-iodo tironina (T3), o hormônio mais ativo dessa glândula.”

Os quelatos, também chamados de minerais orgânicos, que temos acompanhado ser destaque em diversas prescrições, explicando de forma bem prática: são minerais ligados a um aminoácido e que possuem maior capacidade de serem absorvidos pelo organismo, a molécula resultante do processo de quelação apresenta melhor biodisponibilidade quando comparada aos minerais tradicionais na forma de sulfatos, carbonatos ou óxidos.

A ingestão de multivitaminas e minerais leva a melhora do estresse, saúde mental, vigor e ainda, melhora o desempenho cognitivo durante processamento mental intenso, tendo relação direta com o desempenho físico.

Em estudos recentes a suplementação de micronutrientes demonstrou efeito benéfico sobre o estresse, sintomas psiquiátricos leves e aspectos diários de humor em indivíduos saudáveis, como também, contribuiu positivamente para aumento da energia.

Outro estudo que avalia o efeito da combinação de multivitamínicos e minerais no humor e estresse em pacientes saudáveis idosos, durante 8 semanas, idade entre 50-69 anos, demonstrou que a administração desta combinação pode ser útil na melhora do alerta e redução dos sintomas de humor negativo e pode também melhorar o sentimento de bem-estar geral do dia a dia, assim como prevenir doenças.

Estou reforçando esses estudos, porque muitas vezes a carência de minerais impacta desde a gestação até a idade mais avançada!

Principais minerais e vitaminas – com base em estudos e na OMS (Organização Mundial da Saúde):

Complexo B

  • Estão envolvidas em todos os processos do organismo;
  • Proporciona a energia
  • Antioxidante

Vitamina E

  • Protege as membranas celulares contra danos por radicais livres;
  • Possui propriedades antioxidantes;
  • Fortalecimento da pele;

Colina

  • Desempenha papel essencial na integridade estrutural das membranas celulares, na sinalização celular (precursor de acetilcolina) e transmissão de impulsos nervosos; é também uma importante fonte de grupos metil para reação de metilação.
  • Aliado no bom funcionamento do coração;
  • Ajuda a proteger a memória;

Cálcio

  • Importante mensageiro intracelular, e cofator para enzimas;
  • Formação dos dentes e ossos;
  • Fortalecimento muscular;
  • Fortalecimento do ritmo cardíaco.

Cromo

  • Principalmente conhecido pela sua função no metabolismo dos lipídeos e da glicose, o que pode contribuir para o seu papel no humor.
  • Controle do colesterol ruim (LDL);
  • Auxilia na redução na variação do humor;
  • Alívio nos sintomas da depressão;
  • Melhora no organismo no ganho de massa muscular e fortalecimento no tratamento de diabetes tipo 2;

Ferro

  • Cofator essencial para a produção de energia ATP no cérebro;
  • Desempenha um papel essencial na hemoglobina para garantir que haja oxigênio suficiente no cérebro para o metabolismo oxidativo;
  • Prevenção da anemia;
  • Bom para o coração, sistema imunológico, energia a mais e para pele.

Magnésio

  • Funciona como uma coenzima; desempenha papel importante no metabolismo de carboidratos e gorduras para produzir ATP, e na síntese de ácidos nucleicos (DNA e RNA) e proteínas;
  • Controle da função cardíaca;
  • Ajuda no bom funcionamento muscular;
  • Atua na prevenção da hipertensão;

Zinco

  • O elemento traço intracelular mais abundante, com papéis que se estende para a síntese de proteínas, bem como estrutura e regulação da expressão gênica;
  • Estimula e protege o sistema imunológico;
  • Proporciona a cicatrização;
  • Age como antioxidante.

Selênio

  • Mineral essencial que é parte das enzimas antioxidantes que protegem as células dos efeitos dos radicais livres.
  • Protege o fígado;
  • Prevenção de cânceres e doenças cardiovascular;
  • Fortalecimento do sistema imunológico;

Iodo

  • Estimula o metabolismo, mantendo a produção equilibrada do hormônio da tireoide;
  • Prevenção do desenvolvimento de cânceres;
  • Combate infecções;
  • Proteção da saúde cardiovascular e de substâncias tóxicas;

Vitamina A

  • Possui ação antioxidante;
  • Prevenção de doenças cardiovasculares e diabetes;
  • Fortalece a função imunológica e visão;

Vitamina C

  • Resistência aos ossos e dentes;
  • Antioxidante;
  • Essencial como antialérgico;
  • Fortalece o sistema imunológico.

Vitamina D

  • Fortalecer ossos e dentes;
  • Fortalecimento do sistema imunológico;
  • Melhora a saúde cardiovascular;
  • Prevenção do envelhecimento e cancêres;
  • Aumenta a absorção de cálcio e fósforo pelo intestino;

Vamos esquematizar agora a famosa “pirâmide alimentar”:

A leitura da imagem acima é simples, as porções são uma média de uma alimentação saudável que estipula o consumo diário, sendo necessário conferir as calorias de cada alimento antes de consumir e calcular a quantidade necessária para formar uma porção.

Reforçamos direto aqui na Sempre Viva que toda pessoa é singular e requer cuidados individuais.

– Pães, arroz, cereais, massas: carboidratos complexos (vitaminas do complexo B e fibras);

– Hortaliças e vegetais (vitamina A, vitamina C, folato, ferro, fibras);

– Frutas (vitamina A, vitamina C, potássio, folato, ferro, fibras);

– Leite e derivados (cálcio, proteína, vitamina A, vitamina D)

– Carnes, aves, peixes, ovos, feijão, nozes (ferro, zinco, vitaminas do complexo B, proteínas);

– Gorduras, óleos e açúcares (vitamina E, ácidos graxos essenciais, carboidratos, porém são ricos em calorias e devem ser utilizados esporadicamente).

Dicas da Sempre Viva

1- Visite um nutricionista, nutrólogo ou ainda um especialista que possa auxiliar para identificar as deficiências no seu organismo;

2- Temos excelentes medicamentos manipulados que podem facilitar o seu dia a dia, contendo as doses corretas de cada mineral;

3- Faça as suas refeições de forma regular (pelo menos café da manhã, almoço e jantar), e, caso necessite de mais, faça outras refeições nos intervalos, mas não exagere, o excesso é sempre o perigo. Coma frutas, legumes, verduras diversificando as suas refeições;

4- Beba água mesmo sem sentir sede, de preferência nos intervalos das refeições. A quantidade de água que precisamos ingerir por dia é muito variável e depende de vários fatores, incluindo a idade e o peso da pessoa, a atividade física que é realizada e o clima e a temperatura do ambiente onde vive.

5- Fique atento(a) às informações nutricionais dos rótulos dos produtos processados e ultraprocessados para favorecer a escolha de produtos alimentícios mais saudáveis. Os rótulos dos produtos processados e ultraprocessados (como biscoitos, pães de forma, iogurtes, barras de cereais, entre outros) são uma forma de comunicação entre esses produtos e os consumidores e contêm informações importantes sobre a sua composição.

Por hoje é isso, fique atento ao nosso blog estamos com muitas novidades!
Dúvidas? Sugestões? Fale com a gente.
Até a próxima.

Referências:

– Alimentação e Educação II – Deficiências de Minerais – Estud. av. vol.21 no.60 São Paulo May/Aug. 2007. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142007000200009;
– Food Ingredientes Brasil. Nº4 – 2008. Acesso em:http://www.revista-fi.com/materias/52.pdf;
-Close WH. The role of mineral proteinates in pig nutrition. In: Biotechnology in the Feed Industry. Loughborough, Leics, UK: Nottingham University Press, 1998. P.469-484;
– Long SJ, Benton D. Effects of vitamin and mineral supplementation on stress, mild psychiatric symptoms, and mood in nonclinical samples: ameta-analysis. Psychosom Med. 2013 Feb;75(2):144-53;
– PortalMS – Portal Principal de Notícias da Saúde – Ministério da Saúde- disponível em: http://portalms.saude.gov.br;
– Departamento técnico da Farmácia Sempre Viva.

Graduando em administração, libriano e proseador. Sou mineiro de sangue, gosto muito de desafios novos seja no campo social, político, saúde e dia-a-dia (a boa conversa cotidiana, refletindo sobre tudo um pouco).

Lucas Bueno
Lucas Bueno
Graduando em administração, libriano e proseador. Sou mineiro de sangue, gosto muito de desafios novos seja no campo social, político, saúde e dia-a-dia (a boa conversa cotidiana, refletindo sobre tudo um pouco).